Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for 5 de Julho, 2004

bbc online vai ter que mudar

O governo britnico deu indicaes claras BBC para que altere, no prazo de quatro meses, a sua postura online, considerada demasiado comercial por um inqurito independente agora divulgado.
A nova BBC Online dever:
– ser mais cautelosa nos investimentos
– aceitar que pelo menos 25 por cento dos seus contedos (exclundo notcias) sejam produzidos externamente
– dar prioridade a reas consideradas de maior interesse pblico: notcias, informao importante para a sociedade e educao
o fim (j anunciado) de um esforo de investimento pblico brutal – e, apesar de tudo, exemplar – nas operaes online que teve efeitos pouco consensuais.

Anúncios

Read Full Post »

o jornalismo nacional e o euro 2004

O Adelino Gomes escreveu, no Pblico de domingo, um texto muito pertinente sobre o jornalismo que se fez, por c, durante o Euro 2004.
Digo pertinente, sobretudo, porque pode lanar um necessrio debate sobre as exigncias diferenciadas que – muitas vezes sem que disso demos conta – fazemos ao jornalismo, consoante a sua rea.
Seria, de facto, aceitvel para uma audincia encontrar, numa campanha eleitoral, um jornalista envolto numa bandeira do partido X ou Y?
Seria, igualmente, aceitvel numa qualquer outra conferncia de imprensa, irromperem em aplausos os jornalistas entrada do poltico / do artista de cinema / do cantor?
Muitos dos que j foram e/ou ainda so jornalistas sentiram, certamente, em momentos especiais, uma dificuldade muito grande em manter-se distantes (que no alheados) das situaes em que trabalham.
A maioria consegue. E consegue muitas vezes, sentido-se, a cada uma delas, mais distante (na percepo do seu ofcio) dos que, ocasionalmente l sucumbem tentao de oferecer um prenda a um poltico que “os levou” numa viagem oficial ou – para citar um exemplo mais recente – uma camisola autografada ao seleccionador nacional.
Porque ser, ento, que leitores, ouvintes e telespectadores parecem exigir menos de quem trabalha com as questes desportivas?
E porque ser que os jornalistas sentem tanta necessidade de mostrar to aberta identificao com os objectos do seu trabalho?
Haver, ento, diferentes jornalismos, com regras diferentes (para quem informa, para quem d informaes e para quem as l, ouve, ou v)?
O problema est longe de ser um exclusivo nacional e a forma como, noutros ambientes e noutras culturas se lida com ele talvez at nos possa ajudar a melhor perceber o que por c se passa.
Agradeo ao sempre atento Ponto Media a referncia inicial e noto que este mesmo tema tem vindo a ser mencionado, com regularidade, no Blogouve-se.

Read Full Post »

BlogTalk 2.0

Termina amanh, em Viena, a BlogTalk 2.0. Quem quiser acompanhar o que por l se passa pode ligar-se aqui.

Read Full Post »

The Economist volta aos blogs

Mais um artigo na prestigiada The Economist sobre weblogs. Desta vez o texto discute a possibilidade de os media tradicionais virem a incorporar os weblogs, pondo fim a uma relao pouco confortvel.

Read Full Post »

o ‘tempo’ do jornalismo

sempre importante ler o que escreve Jay Rosen no seu PressThink. O mais recente texto centra-se na relao do tempo com o Jornalismo e usa, como ponto de partida, uma afirmao do pivot norte-americano, Dan Rather, a propsito da surpreendente transferncia de poder no Iraque. A gesto dos segundos – diz Rosen – se calhar s importante para as empresas de comunicao, e no para as suas respectivas audincias.
Excertos:
From the information consumer’s point of view, it might matter how quickly the news system as a whole got the big word out–that is, it matters when “the world” learns the news– but the relative performances of different firms within a bundle reporting the same story do not signify much (…) Most of the time, “seconds” don’t factor one bit into the user’s experience, and the fact that we can think of a situation or two when they might–like September 11th in lower Manhattan–should tell us that almost always differentials of seconds or minutes are irrelevant, even when they involve large items of news“.

“In our business, seconds count” must refer, then, to some other experience, or situation. It is not common sense. Nor is it common experience. Professional sense, then. There, we know it’s important to be first with the news because this is one way of building reputation, winning peer respect and keeping score with rivals across the dial. We’re familiar with patterns like that. Professionals have a way of creating their own intramural competition, which is not necessarily a bad thing. Wanting to be first is an engine of news gathering; it makes things come alive with activity. If we want journalists to be discovering new stuff, digging for truth, then our knowledge of human nature, and our understanding of competition, would have us accept the race to get it first. That drive is not inherently perverse“.

Read Full Post »

ponto de ordem

No tempo que passou desde o ltimo post morreu o Marlon Brando, morreu a Sophia e morreu a esperana portuguesa no sucesso de um esforo no planeado e no trabalhado.
At apetece pedir emprestada e adaptar uma frase de Vinicius:
– final de semana triste e sem sorte…v p’ra…

Read Full Post »