Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for 30 de Outubro, 2006

O problema do Marajá

A propósito de uma polémica que foi levantada por um blog anónimo mas que com grande rapidez obteve acolhimento na imprensa nacional – a do alegado plágio de Miguel Sousa Tavares na sua obra ‘Equador’ – o autor achou por bem usar o seu espaço de crónica semanal no Expresso para (como agora se costuma dizer) “tirar desforço”.
Ponderei bem o que a seguir escrevo sobretudo porque me identifico com o MST em dois pontos fundamentais:

1. As acusações anónimas são actos condenáveis;

2. O recurso do jornalismo a informações veiculadas por anónimos é muito mais frequente do que devia ser e é, por isso, no mais das vezes, mau trabalho, com influência directa no degradar da imagem social da profissão e da actividade.

Dito isto, importa dizer também o seguinte:

a) MST faz parte de um restritíssimo grupo de pessoas que, em Portugal, tem o acesso que quer ao espaço público. Estando, como parece estar, indignado com o que aconteceu tem – como muito poucos outros, reforço – à sua disposição mecanismos suficientes (e que, por via da sua ligação ao Jornalismo e ao Direito bem conhece) para apresentar a sua leitura da situação e os factos que, de forma definitiva, possam deitar por terra as especulações;

b) MST escolheu, porém, uma via alternativa e pareceu preferir um estilo mais enérgico que, à falta de melhor imagem, podia classificar como sendo o de um ‘esbracejar vociferante’ (um pouco à imagem do que fazem aqueles senhores muito típicos que nos alertam em Speakers Corner para os inúmeros apocalipses que temos pela frente);

c) MST usa o espaço de crónica, no semanário de maior expansão nacional, para nos falar dos problemas pessoais que tem; usa um privilégio, para abusar dele (faz, no fundo, aquilo que tantas vezes critica noutros);

d) MST aproveita a ocasião para falar dos blogs como sendo uma só realidade:

(…) uma preocupante manifestação de um processo de dessocialização e de sedentarização das solidões para que o mundo de hoje parece caminhar. Saber que nesses ‘sítios’ imateriais é possível fazer praticamente tudo, desde arranjar parceiros amorosos até recrutar terroristas para a Al-Qaeda, não é, a meu ver, um progresso ou facilidade, mas uma espécie de impotência, de desistência de viver a vida como ela é“.

Dum só sopro revela-nos não saber do que fala mas, mais do que isso, não querer sequer saber.
O mais grave, no entanto, é que não sabendo e não querendo saber, ainda assim, tem opinião:

“O que já sabia dos blogues confirmei: em grande parte, este é o paraíso do discurso impune, da cobardia mais desenvergonhada, da desforra dos medíocres e dessa tão velha e tão trágica doença portuguesa que é a inveja“.

Compreendo o problema do MST e, como disse acima, concordo em absoluto com as razões da sua indignação.
Não posso, porém, concordar com os métodos a que recorre e não aceito as generalizações basistas que faz.
MST comportou-se da única forma que não devia.
E a razão que tem empalidece…como se da imagem de um marajá d’antanho se tratasse…

Uma outra leitura do assunto.

Read Full Post »