Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Novembro, 2006

2006 Digital Future Report

O Center for the Digital Future da USC Annenberg School acaba de tornar pblico o sumrio do seu mais recente Digital Future Report.

Excerto:

Large numbers of Internet users hold such strong views about their online communities that they compare the value of their online world to their real-world communities

Read Full Post »

O modelo finlands

Para sorrir…

…num momento de to desnorteado ataque ao futuro do Ensino Superior em Portugal.

Na Finlndia, os doutorados recebem anel, espada e cartola.

Mesmo, mesmo muito frente…

Encontrei a referncia no blog de David Brake.

Read Full Post »

Blogademia

O mais recente nmero da revista Reconstruction – Studies in Contemporary Culture inteiramente dedicado aos blogs.
L se encontram textos de Danah Boyd, de Lilia Efimova e o muito curioso “Blogademia“, de Craig Saper.
O texto fala-nos do uso dos blogs por parte dos acadmicos e da aparente desvalorizao ‘cientfica’ que se faz desse uso.
Excertos:

Producing a discourse outside the bounds of professional publications and decorum has provoked one senior scholar, on a hiring committee, to note that, “job seekers who are also bloggers may have a tough road ahead, if our committee’s experience is any indication”

The challenge of blogademia is to focus on this translation process of scholarship and knowledge into the currently disparaged and debased sociopoetic form of blogs. Beyond apprehending the issues at stake in using this form, one can begin to articulate the advantages of research that uses the blog, not as an object of study, but as a vehicle to comprehend mood, atmosphere, personal sensibility, and the possibilities of knowledge outside the ego’s conscious thought. The blog, podcast, and wikis may hint, fleetingly, at the future tools of academia

Encontrei a indicao no blog de Danah Boyd.

Read Full Post »

A inquietao de partida ter sido a mesma da que deu origem ao Wripe – a quem podemos confiar a tarefa de escolher a informao de qualidade? – embora a busca no tenha, para j, levado os responsveis por este novo projecto – o News Trust – a abandonar os ditos media tradicionais.
O News Trust (“o nosso guia para o bom jornalismo”) existe ainda em verso beta e s dever estar em velocidade de cruzeiro em 2007.
A apresentao indica-nos que o projecto tenciona ser bem mais do que um sistema de ‘classificao por popularidade’ e isso constitui, em si, motivo suficiente para acompanharmos os seus primeiros passos.

Our members rate the news online, based on journalistic quality, not just popularity. Our beta website and news feed feature the best and the worst news of the day, picked from hundreds of alternative and mainstream news sources.
This non-profit community effort tracks news media nationwide and helps citizens make informed decisions about democracy. Submitted stories and news sources are carefully researched and rated for balance, fairness and originality by panels of citizen reviewers, students and journalists. Their collective ratings, reviews and tags are then featured in our news feed, for online distribution by our members and partners.

Cheguei informao atravs do portal AlterNet.

Read Full Post »

Wripe – porque o jornalismo ainda dorme

A internet est cheia de informao no organizada e tendemos a escolher dela s mesmo aquilo que nos interessa. Como os media tradicionais ainda no querem saber de ns e como precisamos de ter tambm informao mais abrangente talvez se pudesse conceber um ‘espao alternativo’ – este o ponto de partida para o aparecimento do WRIPE, que se apresenta assim:

WRIPE – because life’s all about change. We want to capture the web’s most intelligent audience, the people who are setting out to change their lives, people who are dissatisfied with what they get from news media and who may find the web packs too big an information punch.
We believe people with adventurous and keen minds are not adequately served by any single destination or aggregator site on the web. So we set out to change that.
We want to provide you with a wider range of views than you’ll get from a traditional magazine while remaining a coherent resource for your lifestyle needs.
We want to create a staging post where you can come knowing you’re arrived at the best place for finding new ideas, innovative minds and challenging views.
We’re doing that by highlighting and profiling a diverse set of voices around the Internet and by adding our own content.
WRIPE collects blogger opinions from a wide variety of traditions and backgrounds and adds views and insights from our own staff.
It means, unlike sites that automatically aggregate blog posts, at times we’re exercising our own judgment. And we want you to exercise yours by telling us when we get it right or wrong
.

E digam l se (isto sim) no pode representar o incio de um cenrio de srio risco para o jornalismo que ainda funciona no registo ‘se no falarmos no assunto ele vai-se embora’!

Read Full Post »

Interessante o post de Jos A. del Moral sobre ‘a gerao You Tube’.
So dez pontos – e importar ler em detalhe – que, de forma naturalmente discutvel, nos ilustram uma existncia entrecortada por traos de ingenuidade e de voluntarismo mas que bem mais do que isso:

1. a televiso aborrece-os
2. sentem-se mais vontade com o SMS e com o Messenger do que com o telefone
3. querem escrever sobre a sua vivncia, num processo que replica as histrias contadas dos mais velhos
4. no entendem que a cultura tenha proprietrios
5. utilizam o computador como uma ferramenta social
6. no sabem procurar sem o Google
7. fotografam tudo
8. valorizam a autenticidade
9. so politicamente revolucionrios
10. so seres globais

Encontrei a sugesto aqui.

Read Full Post »

Os media em ruptura

Andrew Grant Adamson, professor de Jornalismo na Westminster University, em Londres, diz que este uma daqueles textos “ora a est!”.
Tom Foremski (ex-jornalista do Financial Times) escreve sobre o que diz ser o acelerar da ruptura no sector da produo profissional de informao jornalstica e mostra-se preocupado com a possibilidade de os ‘velhos media’ desaparecerem antes mesmo de os ‘novos media’ aprenderem a andar por si.
Excertos:

(…) the transition in the underlying business models in media are happening much faster than in software, hardware, or anything that Moore’s Law has been able to unleash.
The disruption means there are many opportunities to create new types of very profitable media businesses while the old guard figures things out in committees.

But (…) mainstream media is being torn apart–not by blogging–but by search engine marketing. Quite simply, it is more effective to sell products and services next to a search box than next to journalism. That’s not good.

We are in trouble if we don’t find that solution. We need high quality, trustworthy media, so that we can make the right decisions as a society.

And we have some very tough collective decisions to make; about the environment, healthcare, foreign policy, and many other serious issues. How can we make the right decisions with an increasingly fragmented media sector, one that is rife with misinformation?

Para termos uma ideia da distncia a percorrer importa ler esta entrevista a Roger Alton, editor do britnico The Observer.
Excerto:

Pergunta: Do you get excited by the digital future?
Resposta: No. I get excited by newspapers more. Significantly, for a large amount of our future, this is the platform that matters. Britain makes very good newspapers. The thrill you get online is the viral jokes, the bits of YouTube, the sheer enterprise and wit.

Read Full Post »

Steven Lukes na UMinho


O reputado acadmico britnico, Steven Lukes, est amanh na Universidade do Minho, para uma palestra sobre “The Elusiveness of Power” (CPII, Auditrio B1, 10h00).

A iniciativa inaugura o Colquio de Outono do Centro de Estudos Humansticos da UMinho.

Read Full Post »

Comentrios nos blogs

No nmero mais recente da Razn e Palavra podemos encontrar dois textos sobre blogs.
O primeiro – Agruras do Blog: O Jornalismo Cor-de-Rosa no Ciberespao – apresenta uma leitura do fenmeno dos comentrios annimos mal-educados:

Com o surgimento da Internet, o bullying migrou para ciberespao tendo agregado o prefixo cyber ao seu radical. O cyberbullying ou bullying online o uso de informao eletrnica e dispositivos de comunicao tais como e-mails, mensageiros instantneos (msn, icq etc.) mensagens de texto, telefones mveis, pagers e websites difamatrios para praticar o bullying ou qualquer outro tipo de assdio a um indivduo ou grupo atravs de ataques pessoais ou outros meios, e pode constituir um crime computacional“.

O segundo – Emos: O Resgate da Moda Romntica atravs dos Blogs – fala-nos mais do formato como um espao de novas socializaes:

A rede uma poderosa fonte de pesquisa e de relacionamentos, facilitando aos usurios o descobrimento de novas tribos, novas culturas e principalmente de novos aprendizados“.

Read Full Post »

Blogosfera em 2006

uma tradio que leva j quatro anos.

Leonel Vicente comeou a publicar, a um ritmo dirio, as suas anotaes pessoais sobre a evoluo da blogosfera nacional no ano que agora finda.

Vale a pena acompanhar.

Para os mais interessados – ou distrados 🙂 – esto tambm disponveis as observaes relativas a 2003, 2004 e 2005.

Read Full Post »

ERC e a Net…

Durante a entrevista que concedeu ao programa Diga Lá Excelência (uma parceria entre a RR, o Público e o canal 2 da RTP), o responsável máximo pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social alertou-nos a todos para uma situação que pode vir a ter implicações bem alargadas.
Ao que disse Azeredo Lopes, está em apreciação (com resultado esperado para breve) uma queixa da CDU relativa aos conteúdos publicados no site da Câmara Municipal do Porto.
Disse
  Azeredo Lopes (edição de hoje do Público – conteúdo de acesso restrito):

Está pendente uma queixa da CDU sobre a qual vamos deliberar. Será uma deliberação importante, pois passará por definir se aquele site pode ou não ser equiparado, para efeitos de regulação, a um órgão de comunicação social“.

Independentemente da validade da argumentação em que esta queixa se sustenta – a de que o Direito de Resposta é um direito fundamental – ganhará, parece-me, um novo fôlego o debate em torno da ‘responsabilidade’ dos blogs.
Afinal de contas, já será potencialmente muito pouco o que separa o que é escrito numa página ‘informativa’ de uma edilidade do que é escrito numa página ‘informativa’ de um blog.

Estaremos mais perto de ver a ERC acompanhar o conteúdo de alguns blogs?

E estaremos mais perto de ver a ERC considerar que esses conteúdos são submetidos a tratamento editorial, constituindo ‘um todo coerente’?

E, assim sendo, não seria importante que o enquadramento legal fosse mais claro?

PS: Sobre o final da entrevista que José Manuel Fernandes transformou numa tentativa (por sinal, frustradíssima) de ajuste de contas pessoal com Azeredo Lopes a propósito da forçada repetição de um Direito de Resposta no Público repito o que já escrevi num outro blog:  JMF não tem razão absolutamente nenhuma simplesmente porque abdicou do direito a ela quando publicou uma página inteira de publicidade ao seu ego num jornal nacional. Foi ele que fechou a porta a qualquer dicussão civilizada sobre o assunto e foi ele que deu mais argumentos aos que defendem que o jornalismo nacional não consegue auto-regular-se. Importa que JMF nunca se esqueça disto quando voltar a bradar aos céus: ‘infâmia, infâmia!‘.

Read Full Post »

Teh internets :) – cartoons

importante que todos nos lembremos (SEMPRE) da figura (o senador republicano Ted Stevens) que, nos Estados Unidos, liderou o esforo para acabar com um dos ‘adquiridos’ da net, a neutralidade no acesso.

Recursos (a no perder):

– “Humanity Lobotomy” de Arin Crumley;

Rbula do Daily Show;

– DJ Ted Stevens Techno Remix;

Savetheinternet.com

Agora temos os cartoons – criados por goopymart e disponveis no flickr.

Encontrei a sugesto no blog de Steven Krause.

Read Full Post »

Web 3.0?

Terminada a conferncia Web2.0 em So Francisco h menos de uma semana levantou-se j uma discusso interessante sobre o fim do prprio conceito de web2.0.
Nicholas Carr congrega indcios do primeiro assalto e um artigo de John Markoff no New York Times refora o argumento – a era da ligao entre espaos web sem qualquer leitura de sentido terminou.
Agora vem a a coisa seguinte, a Web3.0, em que – promete-se – o objectivo acrescentar uma camada de sentido ao que j existe na web, tornando-a menos num catlogo e mais numa espcie de guia.
Markoff exemplifica:

The classic example of the Web 2.0 era is the “mash-up” — for example, connecting a rental-housing Web site with Google Maps to create a new, more useful service that automatically shows the location of each rental listing.
In contrast, the Holy Grail for developers of the semantic Web is to build a system that can give a reasonable and complete response to a simple question like: “I’m looking for a warm place to vacation and I have a budget of $3,000. Oh, and I have an 11-year-old child.”

Mas a conversa no ainda pacfica. Um contra-ponto.

Read Full Post »

PlaceBlogger

Se nos esquecermos da conversa gasta sobre ‘blogs – essa ameaa para o jornalismo‘ conseguimos perceber sinais de mudana estratural que, em breve, tornaro muito do que preenche este acalorado debate em pouco mais do que converseta.
Este PlaceBlogger, por exemplo, que est ainda em fase de pre-lanamento, resulta de um projecto de Lisa Williams para encontrar uma forma simples de aceder a blogs que falem da vida quotidiana de uma comunidade (parece que a lista recolhida j vai nos 700).
So blogs, no so jornais locais.
Mas, com franqueza, talvez sejam muito do que os jornais locais no querem (ou no conseguem, ou no querem conseguir) ser.
E – nesta altura – a surpresa que se adivinha j no pode ser grande.

Cheguei informao atravs do CitBlog / uma outra leitura no Joho.

Read Full Post »

Older Posts »