Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Junho, 2008

Três mitos sobre a Net

Annalee Newtiz escreve, na AlterNet, um texto curioso sobre o que diz serem os três mitos da Net que se recusam a desaparecer.

Mito 1 – A Net é livre
Mito 2 – A Net não conhece fronteiras
Mito 3 – A Net está cheia de perigos

Anúncios

Read Full Post »

O Blogouve-se acabou

O João Paulo Meneses – um dos jornalistas com blog que há mais tempo mantem presença permanente na blogosfera nacional – aproveitou o quinto aniversário do seu Blogouve-se para anunciar o fim.
Há uma justificação de peso – a necessidade de terminar a sua tese de Doutoramento – mas há na nota de despedida também sinais de alguma amargura.
Mesmo não partilhando a totalidade das suas posições, sempre entendi a postura do João Paulo na net como transparente – toda a gente sabe onde trabalha, foi talvez o primeiro a criar para o seu espaço um guia ético e técnico e sempre fez por apresentar declarações de interesse. É, diga-se, muito mais do que faz a maioria dos bloggers nacionais, incomensuravelmente mais do que fazem muitos jornalistas-que-também-escrevem-em-blogs-mesmo-sob-pseudónimo-ou-debaixo-da-capa-do-anonimato.
Boa sorte ao João Paulo no projecto que precisa de terminar.
Cá o esperamos, antes do fim do ano, num qualquer outro lugar por aí. Espaço não falta.

Read Full Post »

Jornalistas formam amadores

A norte-americana Society of Professional Journalists decidiu encarar a proliferação de meios de auto-publicação não como uma ameaça mas como uma oportunidade.
Criou a Citizen Journalism Academy, um enquadramento para acções de formação dedicadas a não profissionais sobre temas que cobrem a ética, a legislação, o acesso a documentos e a espaços públicos, práticas informativas responsáveis e o uso da tecnologia.
Benoit Raphael escreve, no seu Demain tous journalistes?:

D’aucuns diront que ces journalistes se tirent une balle dans le pied. D’autres répondront qu’ils refusent au contraire de se mettre des oeillères et essaient d’apporter une pierre au nouvel édifice de l’information.

Read Full Post »

É uma ideia que nos segura de imediato – no ano em que a ARPA faz 50 anos e em que o Mosaic faz 15, a Vanity Fair decidiu enviar dois repórteres em busca das histórias que têm para contar as pessoas que fizeram essa História.
O texto – An oral history of the Internet / How the Web was won – tem oito capítulos e é, também ele, um documento.

[Sugestão encontrada no Cyberbrains]

Read Full Post »

A aplicação de recursos como o Flash a conteúdos jornalísticos – sobretudo quando isso acontece na justa medida – está a abrir caminhos a novas formatações e até a novos géneros.
Mark S. Luckie apresenta-nos uma listagem de oito propostas consolidadas que vale a pena acompanhar.

Read Full Post »

É uma área estranhamente nublosa ainda a dos efeitos das radiações dos telemóveis.
Há, de certa forma, até um certo paralelismo histórico entre a gestão que se faz de estudos (encomendados ou não pelas empresas e pelos reguladores) e a que se fez, durante décadas, com o tabaco.
É fácil imaginar, daqui a alguns anos, as pessoas rirem-se de anúncios publicitários com gente feliz segurando o seu telefone móvel junto à cabeça, como agora fazemos com os anúncios em que Ronald Reagan ou o Pai Natal sugerem embalagens de maços de cigarros como excelentes prendas.

[Post actualizado na sequência do comentário do Bruno Figueiredo]

A indefinição é terreno fértil para a suspeita e para aproveitamentos que a partir dela sempre se fazem (…que las hay…).
O video que a seguir se apresenta é disso exemplo – circula de forma viral pela net desde o fim de Maio (eu recebi-o numa mensagem de um amigo) e já terá sido visto por mais de 8 milhões de pessoas – e faz parte de uma campanha de uma empresa que vende auriculares Bluetooth, a Cardo Systems.

Um teste que se diz genuíno  – o video vem indicado como tendo sido feito na redacção do Lepost.fr – pode também ser encontrado no YouTube.

Read Full Post »

Recebi há pouco a informação, através de uma mensagem que Robert Niles pôs a circular na lista de subscritores no Facebook – a Online Journalism Review vai acabar.
Uma década de publicação deixará, certamente, a sua marca.
Quem quiser continuar a acompanhar os escritos de Niles pode fazê-lo na sua nova morada, o ‘Sensible Talk‘. E porquê este nome?

“Because that’s how we make better journalism — with sensible talk. Our ability to report is only as good as our ability to perceive, and our perceptions are best informed by both our senses and our understanding of facts.
When journalism is working well, good reporting flows from facts to conclusion to action, giving citizens the tools to build a better society.
Journalism fails readers when it regurgitates ideology, from publishers or from sources, instead of exploring facts”.

Read Full Post »

Older Posts »