Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Som’ Category

DSC01671_NIN_wO carismático líder dos Nine Inch Nails (NIN), Trent Reznor, conhecido como um pioneiro de novas formas de contacto directo com a sua audiência específica (ver aqui, aqui e aqui, por exemplo), acaba de publicar num dos foruns do site da banda uma série de conselhos para todos os que tencionam ter uma carreira autónoma.
São indicações concretas, a pensar no universo da música, mas seria talvez interessante tentar reflectir sobre se algumas delas não teriam possibilidade de aplicar-se a outras áreas da comunicação (faça-se, por exemplo, o curioso exercício de substituir ‘música’ por ‘informação’).
Excerto:

Forget thinking you are going to make any real money from record sales. Make your record cheaply (but great) and GIVE IT AWAY. As an artist you want as many people as possible to hear your work. Word of mouth is the only true marketing that matters.
To clarify:
Partner with a TopSpin or similar or build your own website, but what you NEED to do is this – give your music away as high-quality DRM-free MP3s. Collect people’s email info in exchange (which means having the infrastructure to do so) and start building your database of potential customers. Then, offer a variety of premium packages for sale and make them limited editions / scarce goods. Base the price and amount available on what you think you can sell. Make the packages special – make them by hand, sign them, make them unique, make them something YOU would want to have as a fan. Make a premium download available that includes high-resolution versions (for sale at a reasonable price) and include the download as something immediately available with any physical purchase. Sell T-shirts. Sell buttons, posters… whatever.
The point is this: music IS free whether you want to believe that or not. Every piece of music you can think of is available free right now a click away. This is a fact – it sucks as the musician BUT THAT’S THE WAY IT IS (for now). So… have the public get what they want FROM YOU instead of a torrent site and garner good will in the process (plus build your database).

[Foto tirada durante a passagem da ‘Wave Goodbye tour’ por Paredes de Coura, no último dia de Julho]

Read Full Post »

A antecipada corrida aos discos – cujas vendas terão ultrapassado 400 mil cópias na última semana – é apenas um sinal da enorme popularidade do tema ‘Michael Jackson’ por estes dias (e, imagino, por muitos dos próximos, com o funeral, as homenagens, a luta pelo dinheiro, a luta pelos direitos…e a luta pela custódia dos filhos).
As revistas de grande circulação fazem, por isso, naturalmente, de Jacko a sua capa.
A pergunta que se pode pôr nesta situação é a seguinte: qual a melhor?

200907_MJ_MagazineCovers_W
A Newsweek opta por nos apresentar ‘ o puto maravilha’, o miúdo que despertou o encanto de muitos e que, por isso e por muito mais, nunca terá chegado a ser miúdo. A Newsweek mostra-nos Michael quando ainda podia ter sido tudo.

A Time – num número especial – apresenta-nos Michael no seu pico; o dançarino exímio, exalando alegria. Michael, o artista, como vamos gostar de o lembrar.

A Q escolha ainda um outro caminho – a última foto (alegadamente…uma das últimas que lhe foram tiradas). É o Michael do fim dos dias, o Michael que se preparava para um ‘comeback’ tão aguardado como temido. É o Michael real, o homem perturbado.

Qual a melhor capa?

(Outros textos sobre capas com Michael Jackson aquiaqui e aqui).

Read Full Post »

O meu Michael Jackson

thriller-michael-jacksonCom o Michael Jackson que agora acaba de nos deixar tinha uma relação estranha (um pouco como a que tenho com o Herman José que está prestes a aparecer na TVI) – foi, a dado momento da minha vida (e da dele), alguém que muito admirei e tornou-se, com o passar dos anos, numa caricatura ‘gone bad’ pela qual quase só sentia pena.
Guardarei dele, naturalmente, apenas o melhor.
E, nesse preciso momento, ele chegou a ser insuperável.
O melhor do mundo.

Read Full Post »

Talvez dedique menos tempo da minha vida à web quando deixar de ter surpresas como a que recebi, na minha conta do del.icio.us, sugerida pelo meu amigo Pedro Almeida.
Até lá continuo a achar que a web é um lugar das pessoas.
Um lugar para as pessoas.

Info retirada do YouTube:
Staff Benda Bilili are like nothing you have ever seen or heard before. A group of paraplegic street musicians who live in and around the grounds of the zoo in Kinshasa, Congo, they make music of astonishing power and beauty. The band’s mesmerising rumba-rooted grooves, overlaid with vibrant vocals, remind you at times of Cuban nonchalance, at other times of the Godfather of Soul himself. You can hear echoes of old-school rhythm and blues, then reggae, then no-holds barred funk. Four senior singer/guitarists sitting on spectacularly customized tricycles, occasionally dancing on the floor of the stage, arms raised in joyful supplication, are the core of the band, backed by a younger, all-acoustic, rhythm section pounding out tight beats. Over the top of this are weird, infectious guitar-like solos performed by young Roger Landu, (an ex-street kid the band took under their wing), who plays a one-string electric lute he designed and built himself out of a tin can.
The lyrics of the Staff Benda Bilili are wise, ironical advice to the people who live in the streets. In Lingala, “Benda Billi” means “look beyond appearances”.

Read Full Post »

Encontro sobre Podcasts

Realiza-se na Universidade do Minho, nos dias 8 e 9 de Julho, um Encontro sobre Podcasts.
Diz-se na nota de apresentação da iniciativa que esta “pretende ser um espaço de formação, de partilha e de discussão para todos os que já utilizam podcasts no ensino e para os que pretendam vir a adoptar e explorar esta ferramenta
Organizado pelo Instituto de Educação e Psicologia da UM, o encontro aceita a submissão de comunicações ou posters até ao dia 17 de Abril.

Read Full Post »

Voz em Liberdade

O meu filho mais velho tem agora a idade que eu teria no dia 25 de Abril de 1974.
O acontecimento é-lhe quase tão remoto como para mim é a Segunda Guerra Mundial.
Sabe ele que é o Dia da Liberdade, “porque nesse dia os tropas tiraram os senhores do governo e passou a haver democracia”.
Mas o que sabe não lhe chega e passou a semana a fazer-nos perguntas; por exemplo: “Se os tropas sabiam que estava mal porque é que não os tiraram de lá mais cedo?”. Pois é. Há-de ouvir, mais tarde, falar de Botelho Moniz e de muito outros.
A inquietação é bom sinal, assim como é o facto de a professora Maria da Luz ter aproveitado o tema para conversar sobre a liberdade e para lher dar, como trabalho de casa, a tarefa de ler um texto (adaptado) de um homem admirável, que escreve para crianças gostando de literatura e gostando de crianças.

O texto – ‘O Tesouro‘, de Manuel António Pina – termina assim:
Esse país agora já não se chama País das Pessoas Tristes, chama-se Portugal e é o teu país.
E o tesouro pertence-te a ti, és tu que agora tens que cuidar dele, guardando-o muito bem no fundo do teu coração para que ninguém to roube outra vez.
Porque a história não é inventada.
É uma história verdadeira, aconteceu mesmo.
Pergunta aos teus pais ou avós e aos teus professores e eles contar-te-ão mais coisas sobre o País das Pessoas Tristes e sobre o Dia da Liberdade.

Read Full Post »

Humor…avec du style

(Mesmo correndo o risco de saber que o tema escapa à área de atenção central deste blog) Sugiro a audição desta deliciosa risada musical sobre a nova primeira dama francesa.
Diga-se, em abono da decisão de aqui a divulgar, que as referências ao assunto estão a espalhar-se de forma explosiva na blogosfera francófona…
Pela mão de Les Moquettes Coquettes, Carla Brunette…PLAY

[sugestão recolhida no mediaTIC]

Read Full Post »